Calada a verdade do coração dormente, Disseram que a sina do botão é se abrir, e no despir-se do mecânico frio, cinza, gelado igual neve; que a forma aveludada finalmente  se revele, na mais perfeita rosa, em sua nobreza vermelha, com seu afago morno, leve, leve, leve